Eu hoje acordei..




"Pudesse abrir a cabeça, tirar tudo para fora, arrumar direitinho 
como quem arruma uma gaveta. " (C.F.A)



Eu hoje acordei com o cabelo desgrenhado como todos os dias, o lençol escapando da cama, o pijama
largo e frio, e o travesseiro também tão afastado de mim. Eu hoje acordei vendo o quarto bagunçado como todos os dias, a gaveta fora de ordem e os livros espalhados pelo chão. Olhei pro lado não vi nada além da bagunça, olhei pra mim, me vi bagunçada. Escrevi tantas frases num papel que por ventura sentido não fizeram. Tentei ligar as palavras que não me ligam, tentei escrever o que não me descreveu. Agora eu sou assim, durmo fantasiada, e acordo despida de mim. To colecionando textos cheios de vazio, e o vazio que ficou no retrato também.

Olhei no espelho e vi as mesmas marcas sob os olhos, olhei ao chão e senti minha lombar explodir em dor. Minha janela ainda precisa de concerto, não encontro minhas chaves, e as paredes precisam de cor. Voltei a olhar pra mim e a bagunça aumentou, a mente bagunçada, o coração bagunçado, os nervos atrofiados, e a vida foragida. Três copos no criado-mudo e min'alma de sede está preenchida. No espelho há marcas de batom borrado e vermelho, e do outro lado uma mente deturpada de vagos conselhos. É pensamento que foge quando deveria ficar, é pensamento que fica quando deveria fugir.

Adiante vejo a vitrola, esquecida num canto porque há muito seu som não funciona e o disco toca baixo, mal consegue alcançar o quarto volume sem travar a música. Do outro lado um coração - também esquecido num canto qualquer- porque há muito não bate bem, se cansa rápido, também não alcança muito sem travar. E trava sempre. Talvez essa coisa de batimento descompassado enjoou de tanto ser rotina. Agora descompasso virou nó.

Tem tanta coisa acumulada na casa e no corpo, no cômodo e na mente, nas caixas e coração. Papéis sem importância, laços esquecidos, amizades vencidas, contas com o destino, bilhetes de cinema, histórias mal contadas, verdades que não aconteceram, tanto evento que já passou,e  gente que seguiu o mesmo rumo, cartas não entregue, palavras não ditas... Acumulei coisa demais na casa, na mente, no coração e nas caixas.  Preciso me livrar. Não tenho espaço pra mais nada, não tenho mais espaço para mim. Tá tudo uma bagunça, sem mais e sem fim.

Eu queria falar, que apesar de tudo parecer um grande nada, ainda me lembro do que deixei. Logo arranjo um jeito de arranjar as coisas e digo que me arranjei.

[...] Eu hoje acordei tão só, tão vazia, tão fria, sendo só bagunça e cansaço, olhei para mim, querendo olhar somente para os lados. Eu hoje acordei, e vi o (des)caso [...] Eu só queria falar, que eu hoje acordei.

17 Comentários:

  1. Tainá, gosto muito do seu blog.Já até sou seguidora sua... Volte sempre pelo Adoce com Limão. Prazer sua visita!

    Beijos...

    ResponderExcluir
  2. Bom dia!
    Lindo seu texto.Lembrei da poesia de Cecilia Meireles.
    Retrato

    "Eu não tinha este rosto de hoje,
    assim calmo, assim triste, assim magro,
    nem estes olhos tão vazios, nem o lábio amargo.
    Eu não tinha estas mãos sem força,
    tão paradas e frias e mortas;
    eu não tinha este coração que nem se mostra.
    Eu não dei por esta mudança,
    tão simples, tão certa, tão fácil:
    Em que espelho ficou perdida a minha face?"
    Cecília Meireles

    Grande abraço
    se cuida

    ResponderExcluir
  3. Texto òtimo! =)
    http://nossa-caixa.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  4. muito obrigada pelo comentário e pelas palavrinhas..
    és tu na foto de perfil do blog??
    beijo

    ResponderExcluir
  5. que texto perfeito meew ! (: amei ...
    Seguindo aqui viu ?
    Se puder dar uma passada :
    teenhere.blogspot.com

    Mil beijinhos ;*

    ResponderExcluir
  6. Olá, estou aqui retribuindo a visita :D
    Adorei o texto, hoje eu acordei de ressaca :P
    Seguindo vc, beijos!

    ResponderExcluir
  7. Não acredito que só descobri que você tinha blog hoje! HAHAHA
    Já sabia que você escrevia bem, Tai, mas agora to me surpreendendo, sério :)

    Beijo
    Sem querer me intrometer

    ResponderExcluir
  8. nossa realmente, esse texto ta lindo ^^

    Sou de SP (:

    http://garotoonerd.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  9. Nao interessa qnt tempo voce fique sem postar vou ser sempre
    apaixonado pelos seus textos ;)

    ResponderExcluir
  10. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  11. Sentir invejinha desse texto, viu? kkk perfeito *-*

    http://quaseprinces-a.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  12. "É pensamento que foge quando deveria ficar, é pensamento que fica quando deveria fugir."

    Excelente texto, adorei!!

    ResponderExcluir
  13. Bagunça. Amontoado. E coisas que precisam de um novo destino. Rumo, sei lá.
    Seu texto é muito lindo moça. E te conto mais, acontece quase o mesmo comigo, só muda porque eu não tenho travesseiro. E também não me arrumo pra dormir, porque de manhã serão muitas coisas pra botar no lugar, e isso inclui o coração que tanto bateu fraco na madrugada fria e calada que eu sempre uso pra pensar e também escrever coisas sem sentido. É uma coisa, algo que falta. Saudades, de tempos passados, de velhos momentos. De tantos planos que só foram planos.
    Suas palavras foram profundas. E sua maneira de escrever é muito bonita.
    Bjws, até breve. +ff

    Tiver um tempo; Sem Guarda-Chuvas

    ResponderExcluir
  14. Uau, muito lindo os seus textos. Você é uma escritora nata mesmo. Obrigada pelo comentário lá no blog :)
    Beijos, @mandydamas

    Papo Teen|Facebook

    ResponderExcluir
  15. Que lindo texto.

    É sempre necessário, criar forças, coragem e arrumar essa bagunça vez ou outra,jogar fora o que não serve, é... botar para fora o que tá fazendo mal e só ocupando espaço.
    Sempre é tempo de deixar tudo arrumadinho, sem amotoados, sem bagunça, tudo no lugar onde deveria está.


    Beijo

    Além das Palavras (umpoucodemimsm.blogspot.com)

    ResponderExcluir

a frequencia da diversidade, ou apenas os complementos para os meus insanos pensamentos,ou o conforto de saber que me escutam.

 

theme